Back to top
Loading…
emuca - vida en los muebles

Vai ser eliminado este carrinho de compras ¿Tem a certeza?

Acedendo à área privada Emuca - Vida en los muebles

Forum técnico

Queremos tirar as principais dúvidas técnicas que possam surgir acerca do funcionamento dos nossos produtos e dos passos e processos necessários para a sua montagem.

Iluminação para móveis

Um sistema de iluminação LED pode piscar por vários motivos, para saber a causa você deve:

Verificar que o sistema de iluminação LED está ligado ao tipo de transformador correcto, de tensão constante ou de intensidade constante, consoante o sistema de iluminação assim o requeira.

Verificar que a potência do transformador não seja inferior à soma de potência dos sistemas de iluminação LED ligados ao transformador.

Verificar que no existe qualquer sobreaquecimento relevante do transformador. A temperatura de trabalho do transformador deve ser a adequada. A temperatura de trabalho aparece impressa no próprio transformador.

Se um sistema de iluminação LED se acender e logo a seguir se apagar é porque o transformador tem um sobreaquecimento.

Os motivos mais habituais do sobreaquecimento do transformador costumam ser por falta de ventilação nos locais das suas instalações ou por uma excessiva entrega de potência.

Neste caso o transformador está a dar a totalidade ou mais da potência que pode dar e teremos então que substituí-lo por um transformador de maior potência.

 

Se um sistema de iluminação LED não se acender é porque a potência que precisa é maior do que a potência oferecida pelo transformador, ou então deve-se a um problema de polaridade.

Neste caso os sistemas de iluminação ligados à corrente contínua devem manter sempre a polaridade ao longo de todo o circuito (positivo com positivo e negativo com negativo).

¿Por quê um sistema de iluminação LED não acende?

Para escolher o transformador correcto para cada sistema de iluminação devemos:

1.- Saber o tipo de transformador que corresponde a cada sistema de iluminação (12V DC, 350 mA ou 12V AC). No nosso catálogo indicamos em cada sistema de iluminação o tipo de transformador que deve ser usado, com uma série de ícones (símbolos) facilmente diferenciados através de diferentes côres e inscrições.

2.- Saber a potência total necessária (6 W, 15 W, etc.).
Uma vez escolhido o tipo de transformador temos de calcular a potência que iremos precisar consoante cada instalação. Para tal efeito temos de somar todas as potências dos sistemas de iluminação que vamos ligar a um mesmo transformador.

Por exemplo, se tivermos 4 focos Orion (código 7048162) de 3 W cada um, a soma das potências é de 12 W. É recomendável que os transformadores trabalhem até um 80% da potência máxima que suportam (DADO EXTREMAMENTE IMPORTANTE PARA UMA BOA DURABILIDADE DO TRANSFORMADOR).
Assim sendo, deveremos escolher para este caso em exemplo um transformador LED de 15 W (código 7001420).

É ainda importante referir que o número máximo de sistemas de iluminação que se podem ligar a um mesmo transformador é de 6 unidades, dado que os distribuidores AMP que vêm com os transformadores da Emuca têm 6 conectores.

¿Que tipo de transformador preciso para cada sistema de iluminação?

Sim, os transformadores com envolventes metálicas precisam de estar ligados à terra e incluem um borne específico para poderem ser ligados.

A tolerância de potência deve de ser de -20% em quaisquer fontes de alimentação deste tipo. Ou seja, se a soma das potências dos sistemas de iluminação ligados a um mesmo transformador é 12 W, então deve-se utilizar um transformador de 15 W. Mas se instalação superar os 12 W, então já devo optar por escolher um transformador de maior potência, por exemplo de 30 W.

Numa instalação para o caso de mobiliário em geral (quartos, salas, etc. excepto casas de banho), os sistemas de iluminação e os seus componentes devem de cumprir uma série de características:

Devem ter um isolamento de classe II, protegidos contra descargas eléctricas por contacto directo e indirecto, não sendo necessário a ligação ou conexão da toma de terra. Ou bem podem ter um isolamento de classe III, pelo que não devem ligar-se à toma de terra.

Além disso devem igualmente poder instalar-se sobre superfícies com materiais acerca dos quais não se conhece a sua inflamabilidade, como é o caso da madeira. Ou bem sejam idóneos para poder instalar-se em superfícies normalmente inflamáveis.

¿Que características devem cumprir os sistemas de iluminação e os componentes de uma instalação para o mobiliário em geral?

Numa instalação para o caso específico do mobiliário de banho, os sistemas de iluminação e componentes devem cumprir uma série de características tendo em conta a zona da casa de banho na qual os mesmos se irão situar. Para tal, limitar-nos-emos a quatro tipos de volumes existentes na casa de banho:

Volume 0: Compreende o interior da banheira ou duche.
Volume 1: É aquele que está limitado pelo plano horizontal superior ao volume 0 e pelo plano horizontal situado a 2,25 m por cima do chão, limitado pelo plano vertical à volta da banheira ou duche.
Volume 2: É aquele que está compreendido entre o plano vertical exterior ao volume 1 e o plano vertical paralelo situado a uma distância de 0,60 m, limitado pelo plano horizontal situado a 2,25 m por cima do chão.
Volume 3: É aquele que está limitado pelo plano vertical exterior do volume 2 e pelo plano vertical paralelo situado a uma distância do mesmo de 2,4 m, limitado pelo plano horizontal situado a 2,25 m por cima do chão, ou até uma altura de 3 m, se o tecto estivar a esta altura ou mais do chão.
NOTA: Os falsos tectos e as cabines não são consideradas barreiras para efeitos da separação destes volumes.

Em consequência, os sistemas de iluminação e os seus componentes que possam ser instalados em cada um dos volumes são os seguintes, consoante o grau de protecção requerido:
Volume 0: Poder-se-ão instalar sistemas de iluminação e componentes com protecção IPX7.
Volume 1: Poder-se-ão instalar sistemas de iluminação e componentes com protecção IPX4. Para protecção IPX2 poder-se-ão instalar apenas se se colocar os mesmos por cima do nível mais alto do difusor fixo do duche. E com IPX5 poder-se-ão instalar em banheiras de hidromassagem e em casas de banho públicas ou comuns nas quais se possam vir a produzir jactos de água durante a sua limpeza. Além disso consideram-se igualmente os aparelhos alimentados a MBTS não superior a 12 V ca ou 30 V cc.
Volume 2: Poder-se-ão instalar os permitidos para o volume 1. Além daqueles sistemas de iluminação cuja alimentação esteja protegida com um dispositivo de protecção de corrente diferencial de valor não superior a 30 mA, de acordo com a norma UNE 20.460-4-41.
Volume 3: Poder-se-ão instalar sistemas de iluminação e componentes com protecção IPX5, em casas de banho públicas ou comuns quando nas mesmas se possam vir a produzir jactos de água durante a limpeza dos mesmos. Além dos sistemas de iluminação protegidos por um transformador de isolamento, ou por MBTS, ou por um dispositivo de protecção diferencial de valor não superior a 30 mA, de acordo com a norma UNE 20.460-4-41.
NOTA: As casas de banho públicas ou comuns são aquelas que se encontram em escolas, fábricas, centros desportivos, etc. e todas aquelas casas de banho que são utilizadas pelo público em general.

¿Que características devem cumprir os sistemas de iluminação e os componentes de uma instalação para o mobiliário de banho?

Denomina-se IP (Ingress Protection Rating) ao índice que tem um sistema de iluminação ou componente para proteger-se ou não danificar-se com o pó e a água. Por exemplo, os sistemas de iluminação ideais para iluminar os móveis de casa de banho têm uma protecção IP44. Sendo o primeiro dígito o índice de protecção de sólidos e o segundo dígito o índice de protecção de líquidos.

Protecção de sólidos:
IP0X: Sem Protecção.
IP1X: Protecção de objetos maiores que 50mm, por exemplo uma mão.
IP2X: Protecção de objetos maiores que 12.5mm, por exemplo um dedo.
IP3X: Protecção de objetos maiores que 2.5mm, por exemplo uma chave de fendas.
IP4X: Protecção de objetos maiores que 1 mm, por exemplo um cabo.
IP5X: Protecção ao pó, sendo a sua introdução ou entrada limitada permitida.
IP6X: Protecção a concentrações de pó, sendo que NÃO é permitida qualquer introdução ou entrada de pó.

Protecção de líquidos:
IPX0: Sem Protecção.
IPX1: Protecção contra a queda de líquidos verticais, introdução ou entrada limitada permitida.
IPX2: Protecção contra a queda vertical de água com o produto, com uma inclinação de 15° vertical, sendo a introdução ou entrada limitada permitida.
IPX3: Protecção do vapor de água a 60° da vertical, sendo a introdução limitada permitida.
IPX4: Protecção contra salpicos de líquidos em todas as direções, sendo a introdução limitada permitida.
IPX5: Protecção contra jactos de água, sendo a introdução limitada permitida.
IPX6: Protecção contra fortes jactos de água, sendo a introdução limitada permitida.
IPX7: Protecção contra a imersão de 15cm a 1 m durante 30 min, não sendo permitida a introdução ou entrada de qualquer água.
IPX8: Protecção contra a imersão contínua sob água.

Denomina-se IP20 ao índice que tem um sistema de iluminação ou componente para proteger-se de objetos maiores do que 12,5 mm mas sem protecção contra os líquidos. Neste caso, o referido sistema de iluminação estaria indicado para a sua montagem apenas no mobiliário do lar.

Denomina-se IP44 ao índice que tem um sistema de iluminação ou componente para proteger-se de objetos maiores do que 1 mm e que além disso tem também protecção contra os salpicos de líquidos em todas as direcções. Neste caso, consoante a zona na qual se localize o referido sistema de iluminação, estaria indicado para a sua montagem no mobiliário de banho.

Na seguinte imagem distribuem-se os tipos de fichas macho de tomada e respectivas tomadas de corrente que se usam em cada país do mundo no contexto de utilização doméstica:

¿Que tipo de fichas macho de tomada é utilizada em função de cada país?

Na seguinte imagem distribui-se a voltagem e a frequência que se utiliza em cada país do mundo no contexto de utilização doméstica:

Para mais informação consulte http://www.worldstandards.eu/electricidad.htm

¿Que tipo de voltagem e de frequência é utilizada em função do país?

Um sistema de iluminação com uma temperatura de cor branco natural está entre 4.000 e 5.000 Kelvin e a sua tonalidade de luz é neutra.

A principal diferença entre temperaturas de cor nos sistemas de iluminação é a dos seus graus Kelvin e as suas tonalidades de luz:

- A temperatura de cor branco frio varia entre os 3.000 e 3.900 graus Kelvin e a sua tonalidade é azulada.

- A temperatura de cor natural varia entre os 4.000 e 5.000 graus Kelvin e a sua tonalidade é neutra.

- A temperatura de cor branco cálido varia entre os 5.100 e 7.000 graus Kelvin e a sua tonalidade é alaranjada.

¿Qual é a diferença entre uma temperatura de cor branco frio, branco cálido e branco natural num sistema de iluminação?
Caixa de correio de preguntas

Você não pode encontrar a informação que você precisa? Levanta suas questões técnicas sobre nossos produtos e nosso departamento técnico vai resolver.